Sua mensagem foi enviada com sucesso!
ONG em Santa Catarina ajuda no resgate, recuperação e reabilitação de animais marinhos

Blog

ONG em Santa Catarina ajuda no resgate, recuperação e reabilitação de animais marinhos

Casos e Contos 27/04/2012
Compartilhar

Resgatar, recuperar e reintroduzir animais marinhos e terrestres à natureza. Esse é o principal objetivo da Associação R3 Animal uma ONG que presta apoio à Polícia Ambiental e ao Ibama no atendimento aos animais que são encaminhados ao CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres) em Florianópolis. O local é o único centro de recuperação de animais selvagens do estado de Santa Catarina e recebe animais provenientes de apreensões de tráfico, animais resgatados da natureza e ainda aqueles que são doados pela população.

O objetivo do grupo é, inclusive, o que nomeia a associação, já que R3 refere-se exatamente aos três “erres” exercidos pela ONG: Resgatar, Recuperar e Reintroduzir. “Todos na R3 são voluntários e o nosso trabalho consiste em auxiliar a Polícia e o Ibama na manutenção diária dos recintos e gaiolas do Centro e na alimentação dos animais. Também atuamos junto à Área de Proteção da Baleia Franca (APABF) auxiliando no atendimento de animais marinhos encalhados através da Equipe Coordenadora de Atendimento a Encalhes da APABF”, explica Cristiane Kolesnikovas, médica veterinária e presidente da Associação.

O foco do trabalho dos voluntários é o atendimento aos seres que vivem no mar, como pinguins, lobos marinhos e aves. “Todos os anos recebemos dezenas de pinguins debilitados que necessitam de cuidados especiais para poderem retornar ao mar. A maioria são animais ainda jovens que provavelmente não conseguem se alimentar adequadamente e acabam chegando às praias. Alguns deles também chegam contaminados por óleo. Nesse caso eles só podem retornar ao mar após receber um banho realizado com técnicas específicas e de ter o seu estado geral recuperado. Esse é um processo que demora geralmente um mês”, explica Cristiane. Somente em 2008, quando aconteceu um grande derramamento de óleo na região, o CETAS recebeu mais de 400 pinguins contaminados por óleo e 95% foram devolvidos ao mar. Nos anos de 2010 e 2011 mais de 100 pinguins passaram por reabilitação no Centro, sem contar os 05 a 10 lobos marinhos que também são atendidos anualmente no local.

Treinamento de voluntários

Aproximadamente 25 voluntários trabalham na ONG, entre estudantes e profissionais das mais diversas áreas.

Para os interessados em fazer parte deste grupo, a R3 realiza anualmente um treinamento para aqueles que desejam trabalhar com os três “erres” propostos pela associação. “Realizamos esse trabalho desde o ano passado e já tivemos a participação de cerca de 50 pessoas. Porém, devido ao derramamento de óleo que aconteceu em 2008 temos um cadastro com mais de 150 voluntários que ajudaram na ocasião”, lembra Cristiane.

Qualquer pessoa com mais de 18 anos pode participar. No treinamento esclarecemos aos candidatos as normas da R3 Animal, além das regras que devemos seguir devido ao fato do CETAS estar dentro de um pelotão da Polícia Ambiental. Os futuros voluntários também participam de uma palestra sobre zoonoses”, explica a veterinária. “O treinamento teórico dura apenas uma manhã. A prática é adquirida durante a realização das atividades que são supervisionadas por um coordenador, que é sempre o voluntário mais antigo”, complementa. Os trabalhos com os animais são sempre no período da manhã e o voluntário precisa comparecer pelo menos uma vez por semana no Centro. O número de vagas para o treinamento é delimitado de acordo com as necessidades e com a capacidade da ONG. “Geralmente participam 20 a 30 pessoas por vez”, avalia Cristiane. O aviso de novas turmas sempre é postado no site ou no Facebook da associação e é necessário pagar uma taxa de R$ 10 para participar.

Entre os casos que os voluntários da ONG atuaram, a veterinária destaca dois encalhes de baleias francas que aconteceram no estado. “Em 2010, através da Equipe Coordenadora de Atendimento a Encalhes da APABF, atendemos uma baleia franca adulta encalhada no município de Laguna. Ela permaneceu viva por sete dias e, infelizmente, visando a diminuição do sofrimento do animal, optou-se pela eutanásia. Em 2011, desencalhamos com sucesso uma baleia jovem que estava em Florianópolis”, conclui.

Para saber mais sobre a ONG e acompanhar os anúncios de novas turmas de treinamento para voluntários, acesse -  http://www.r3animal.org.br/

 

Juliana Barbosa para Bombarco
Foto: Divulgação