Sua mensagem foi enviada com sucesso!
Saiba como praticar Wakeboard com segurança

Blog

Saiba como praticar Wakeboard com segurança

Esporte náutico e Lazer a Bordo 07/05/2014
Compartilhar

O Wakeboard é considerado o esporte aquático que mais cresce no mundo em número de praticantes. Essa febre é uma mistura de surf com snowboard, que vem conquistando uma legião de fãs por onde passa.

Na teoria, o esporte parece ser bem simples. Uma prancha, um manete, uma corda e um barco é o que você precisa para começar. E então, a pessoa é rebocada pelo barco, surfando, saltando e, dependendo do nível de treinamento, fazendo manobras radicais.

Agora, na prática, a história muda de figura. Primeiro o esportista deverá se manter em pé enquanto é puxado pela lancha. Ao mesmo tempo, o piloto faz curvas e navega em velocidade consideravelmente alta. Depois de conseguir ficar em pé por bastante tempo vem o desafio de fazer as manobras. Se você não se importa muito com acrobacias pode ficar apenas ‘surfando’, pois já estará sentindo adrenalina suficiente para se apaixonar pela modalidade.

Quem leu a matéria até aqui com certeza ficou curioso em conhecer o esporte e se aventurar nas águas de alguma represa ou em alto mar. Mas como todas as modalidades esportivas e, principalmente as aquáticas, alguns cuidados são extremamente necessários e indispensáveis antes de se arriscar por aí.

Onde praticar

Por ser uma atividade de velocidade e forte impacto, o Wakeboard deve ser praticado apenas em alto mar, represas ou em locais exclusivos para isso, bem longe de banhistas ou locais rasos e com muitas pedras. Tudo isso para garantir a própria segurança, já que você será arremessado na água constantemente (até adquirir equilíbrio e domínio da sua prancha), e, é claro, para garantir a integridade de pessoas que não estão praticando o esporte.

Se você não tiver todos os equipamentos e precisar alugar ou se tem necessidade de algumas aulas de Wakeboard, é importante verificar, antecipadamente, se a empresa é idônea e conta com uma equipe de profissionais instruídos. Para iniciar as atividades, é indispensável o uso de equipamentos de segurança que estejam de acordo com seu peso e tamanho, como o colete salva vidas e uma roupa de borracha. Mas se você não sabe nadar não deve se arriscar nem com equipamentos de segurança.

Confira alguns lugares para praticar o esporte?
Represa de Atibainha, Nazaré Paulista (SP) - A represa faz parte do Sistema Cantareira e fica a apenas a 1h30 de São Paulo. O sistema abrange 12 municípios, sendo quatro deles de Minas Gerais Camanducaia, Extrema, Itapeva e Sapucaí-Mirim) e oito em São Paulo (Bragança Paulista, Caieiras, Franco da Rocha, Joanópolis, Nazaré Paulista, Mairiporã, Piracaia e Vargem).

Represa de Itupararanga, Ibiúna (SP) - Fica a 80km da capital e é formada pelos rios Sorocabuçu, Sorocamirim e Uma, formadores do rio Sorocaba. A represa foi construída pela Light em 1914 e banha os municípios de Ibiúna, Piedade, Mairinque, Alumínio e Votorantim.

Represa do Jaguari, Bragança Paulista (SP) - A represa tem 50 km² e também faz parte do Sistema Cantareira, formada pelos rios Jaguari e Jacareí. É considerado um espaço ideal para os esportes náuticos por ter um diferencial importante para a boa prática do wakeboard: a água limpa.

Lagoa Rodrigo de Freitas, Rio de Janeiro (RJ) - Possui águas calmas que atraem atletas de todos os níveis, inclusive profissionais. Palco da disputa do Circuito Carioca de Wakeboard e Circuito Mundial, a Lagoa também tem espaço dedicado aos iniciantes.

Lago do Tarumã, Manaus (AM) - O Amazonas é atualmente considerado o segundo polo mais procurado no país para a prática de wakeboard, depois de São Paulo, devido à estrutura encontrada. A popularidade do local é tão grande que se tornou uma das etapas do Circuito Brasileiro de Wakeboard. Em Manaus, estão disponíveis as duas opções de Wake: de barco e também de cabo.

Segurança e preparação

Durante a prática do esporte, nunca coloque o braço, a cabeça ou qualquer parte do corpo por dentro do manete e não enrole o cabo de ligação com a lancha na sua mão ou no seu braço.

Para Tess Abreu, da Associação Brasileira de Wakeboard, qualquer pessoa pode praticar esta modalidade, mas se você pretende virar um praticante ou atleta de Wake é importante se manter em forma, cuidar da alimentação, fazer exercícios regularmente e se alongar antes de entrar na água, pois esta atividade exige muita força do esportista, principalmente nos braços, o que torna as dores ao fim da prática muito comuns.

Vitor Cordeiro, pai do atual campeão brasileiro de Wakeboard profissional, Victor Cadette Cordeiro, de 15 anos, afirma que quanto mais cedo o atleta começar o esporte, melhor para a preparação física durante a atividade. “Começando cedo, o risco de lesões é bem menor, pois já aprende a cair, e as articulações suportam melhor. A preparação física (musculação) também é fundamental,” conta Cordeiro.

O pai do atleta aconselha que quem estiver interessado em começar a modalidade, deve procurar um professor, pois é mais seguro e o processo de aprendizagem se torna mais rápido. Além disso, deve seguir algumas práticas do seu filho como descansar e manter uma alimentação equilibrada. “Quando estiver na água, é importante não exceder 30 minutos de treino, já que praticar o esporte cansado aumenta o risco. E é claro, sempre usar colete salva-vidas”, acrescenta.

Responsabilidade do comandante

Para quem deseja se aventurar por conta própria também é preciso ficar atento. Se você já tem um barco ou deseja comprar um, antes de sair rebocando alguém você precisa estar habilitado pela Marinha do Brasil para pilotar qualquer tipo de embarcação.  O piloto é o maior responsável pela segurança de todos a bordo, inclusive do esportista.

Antes de sair com o barco verifique todos os itens de segurança como coletes salva-vidas, extintores, boia circular e luz de navegação e emergência. É importante, também, ter produtos de primeiros-socorros e ferramentas para atender emergências.

Para se manter longe de acidentes é importante navegar distante de margens, costas e regiões com banhistas. Fique atento ao esticar o cabo que reboca o atleta e oriente os passageiros a ficarem atentos também, pois o cabo pode enroscar e machucar alguém.

Certifique-se de que as pranchas e demais equipamentos estão bem presos ao barco, para que não caiam nos passageiros e sempre que for resgatar o praticante de wakeboard da água desligue a embarcação.  

Além disso tudo, é importante que você se inteire, se informe e conheça o esporte. Depois, é só se divertir e entrar para o time de amantes e adeptos do Wake.


Leia mais
MasterCraft e StanCraft apresentam lancha de wake feita de madeira

Axis Wake A22 – A criadora de ondas

Lanchas Nautique já estão disponíveis no Brasil

Axis A20 – Feita “sob medida” para a prática de esportes aquáticos

Saiba tudo sobre as novas regras para tirar a habilitação náutica


Curta a página do Bombarco no Facebook e fique por dentro de todas as novidades do mercado náutico.


Fabiana Lima para Bombarco com informações do site IG e O Radical
Fotos: Malibu Boats