Sua mensagem foi enviada com sucesso!
Inglês Balinês

Blog

Inglês Balinês

Manutenção de Equipamentos 08/05/2009
Compartilhar

Eu, minha esposa Eneida, minha filha Clarissa e meu filho Marcelo começamos a realizar, em 1991, nosso sonho de fazer uma viagem de circunavegação do planeta. Durante quatro anos e meio, vivemos dentro do veleiro Rapunzel uma aventura de absoluta liberdade, como cidadãos do mundo.


Muitas histórias marcaram nossa viagem de volta ao mundo no Rapunzel. Algumas engraçadas ou embaraçosas, entre as quais minha favorita ocorreu na Indonésia. Bali foi o único lugar onde tivemos dificuldades de comunicação. Nas ruas fala-se Balinês e alguns conhecem inglês. Digo “conhecem”, pois na verdade acho que eles não entendem metade do que a gente fala. A tudo respondem com um sonoro Yes e um sorriso. Uma prova disso é o episódio hilário da procura por nossa correspondência.

Soubemos através de outros cruzeiristas que às vezes as cartas ficam na secretaria do Iate Clube. Assim, Clarissa foi até lá à procura do nosso mail, correspondência em inglês.  Após uma hora de vai e vem e de falar com praticamente todo mundo, finalmente alguém “entendeu” o que ela estava procurando.

- Ah! Mail. Mail. Yes! Diz a moça na secretaria.

A funcionária falou com alguém pelo interfone e logo aparece um rapaz que conduz Clarissa pelo cais entre os barcos. De vez em quando ele vira para trás e fala:

- Mail, Mail? Ok, follow me.

Então chega até um barco e chama alguém:

- Mister Mail! Mister Mail! Your girlfriend! Your girlfriend here.

Clarissa tentou explicar que não era isso, mas o rapaz não desistia, ela teve que puxá-lo pelo braço antes que o tal Sr. Mail aparecesse. Voltou indignada com a ignorância.

Dou um tempo e vou pessoalmente até lá ver o que consigo. Peço para falar com o gerente, que parece mais versado em inglês. Tento evitar a palavra mail para não ser confundido com um gay qualquer a ser levado até o barco do Sr. Mail, que parece estar “a perigo”!

O gerente é muito solícito e após “entender” o que eu queria chamou a secretária e falou alguma coisa com ela em Balinês. Então, ela começou a apontar num desenho da marina as vagas que estavam ocupadas e o nome dos barcos em cada uma.

Eu estava achando que a conversa não era mais comigo, pois não fazia o menor sentido mostrar aquilo para mim. Por azar, li em voz alta o nome de um veleiro conhecido nosso, o Hanna, que estava lá. Bom, isso encerrou o papo, pois logo o gerente fechou o desenho e chamou o rapaz encarregado do cais e me mandou ir com ele. Ele deve ter dito:
- Mostre a ele a vaga ao lado do Hanna, ele quer ficar lá!
Sem entender, acompanhei o sujeito pelo cais. De vez em quando ele virava para trás e dizia:

- Hanna, Hanna... Yes, good place, good place!

Então, percebi que eles estavam arrumando um lugar para mim na marina e tive certeza que ali ninguém entendia nada a não ser Balinês. Desisti e entrei na deles, disse que a vaga era muito cara e que ficaria na poita mesmo. Agradeci polidamente e fui embora.

O gerente só disse cortezmente:

- Yes.

Marçal Ceccon

Velejador desde 1975 e autor dos livros: Um giro pelo Atlântico (2007, Brasil – Edição Independente); Rapunzel, uma família ao redor do mundo (1994, Brasil - Edições Marítimas); Rapunzel nos mares do sul (1998, Brasil - Aventura Editorial); Guia Náutico da Costa Brasileira (2000, Brasil - Edição Independente) e Cruising the coast of Brazil (1994, USA - Edição Independente).
Mais infos: www.veleiro.net/rapunzel


fotos: Arquivo pessoal / Jornalista: Aline Eira MTB 55.879-SP