Sua mensagem foi enviada com sucesso!
Marcos Soares, de campeão olímpico a CEO da Beneteau Brasil

Blog

Marcos Soares, de campeão olímpico a CEO da Beneteau Brasil

Manutenção de Equipamentos 11/10/2012
Compartilhar

O contato com o mundo náutico começou cedo para Marcos Soares, CEO da Beneteau Brasil. Nascido e criado no Rio de Janeiro, começou a velejar aos 12 anos e evolui no esporte, chegando a representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Moscou, em 1980. Aos 19 anos, Soares voltou para casa com a medalha de ouro, conquistada junto Eduardo Penido, na classe 470.

Mesmo com o título olímpico, o carioca decidiu por não investir na carreira de atleta profissional e se focou no mundo dos negócios. “Na época, não dava para se manter apenas como atleta, sem patrocínio. E também não dava para conciliar o trabalho com o treino de um atleta profissional,” conta Soares, que foi morar sozinho muito jovem e sempre trabalhou. Em 1979, já havia iniciado seu primeiro empreendimento, a Velas Ullmann, que chegou a ser a maior veleria do Brasil.

Em 1988, Soares fundou a Sailing Products, importando equipamentos e oferecendo serviços no mercado náutico de velas; e, em 1998, a Brasil Yacht Charter, primeira empresa nacional de charter bareboat. As duas continuam atuando no mercado náutico nacional.

Apesar de todo o sucesso no mundo dos negócios, Marcos Soares não tem formação universitária. E revela rindo que, quando uma revista publicou em seu site que o empresário era engenheiro, recebeu uma telefonema da mãe: “Ah... Finalmente você se formou?”.

Agora, aos 51 anos, o empresário acumula o cargo de CEO da Beneteau Brasil e é o responsável por desenvolver a marca do estaleiro francês em toda a América do Sul, buscando os mercados mais ao norte do continente, que antes eram ligados aos representantes do Caribe, pela proximidade geográfica.

O cargo ocupa grande parte do tempo do empresário, com viagens para acompanhar a apresentação do estaleiro em eventos pelo mundo, e acaba mantendo Soares fora d’água: o velejador confessa que não participa da Ilhabela Sailing Week há três anos.


Marília Passos para Bombarco
Foto: Bruno Cocozza/Bombarco