Sua mensagem foi enviada com sucesso!
Veleiro Fraternidade: uma escola em alto mar

Blog

Veleiro Fraternidade: uma escola em alto mar

Manutenção de Equipamentos 30/08/2010
Compartilhar

Em 1982, Aleixo Belov, navegador e engenheiro naval, comandava o veleiro “Três Marias”, que foi o primeiro veleiro de bandeira brasileira a dar a volta ao mudo em solitário. Em 1986 e 2001, Aleixo manteve seu pioneirismo ao completar a segunda e terceira voltas ao planeta, sempre sozinho. Em janeiro de 2010, Aleixo partiu para sua quarta volta ao mundo, a bordo do veleiro Fraternidade. Desta vez, acompanhado por mais 12 tripulantes, alunos entre 18 e 30 anos, pré-selecionados pelo próprio comandante para aprender, assim como ele, lições do mar.

Formando novos navegadores

“Já foram três voltas ao mundo sozinho e muitas experiências e dificuldades. Mas, quando decidi realizar a minha quarta volta ao mundo, resolvi passar o meu conhecimento para outras pessoas que se interessavam pelo mar assim como eu. Foi quando construí o Fraternidade, um veleiro de 70 pés, que denominei como um veleiro escola.

Ao sair de Salvador, em 16 de janeiro de 2010, éramos doze e assim foi até chegarmos à Polinésia Francesa. Agora, somos quatro, eu e mais três alunos, que seguimos viagem e nos arriscaremos na passagem pela Somália.

Nosso dia a dia é de pura concentração. Observamos o clima, a intensidade do vento e regulamos as velas diariamente. Como professor, oriento os alunos tripulantes, ensino a fazer manobras e nas horas vagas lemos, ouvimos música e dormimos em pequenos intervalos. À noite o cuidado é dobrado.

As dificuldades são constantes. O mar é o reino da incerteza. De repente, o vento muda no meio da noite de 15 nós para 40 ou 50 nós. É preciso estar sempre atento e ensino isso aos meus alunos. O pensamento deve ser rápido e saber as providências a serem tomadas para não rasgar as velas ou danificar algum equipamento, por exemplo.

O bom de ter criado o Veleiro escola Fraternidade é contribuir para formação de futuros navegadores. É uma experiência única e satisfatória. Quando viajava em solitário, era eu e o mar, uma amizade profunda com a natureza. Hoje divido meu tempo com os alunos e é muito prazeroso. Mas, não posso negar que velejar sozinho também me trouxe muita felicidade”.

Onde eles estão?

Aleixo Belov e seus alunos tripulantes estão ao norte da Austrália em direção a Bali, na Indonésia, que é um trecho de aproximadamente 2.000 milhas. A partir de Bali a tripulação do veleiro Fraternidade terá de decidir, se continuará a viagem pelo norte ou pelo sul. Pelo sul, passarão por Mauricius, Reunion, África do Sul e por fim chegariam ao Brasil. Pelo norte irão passar por Srilanka, Índia, Somália – muito perigoso pela presença de navios piratas na região -, Sudão, Egito, Grécia, Turquia, Odessa, na Ucrânia, Grécia, Itália, Tunísia, Espanha, Gilbratar, Ilhas Canárias e finalmente no Brasil.

Para mais informações acesse: www.aleixobelov.com.br

Bruna Sales para Bombarco
Colaboração: Aleixo Belov e Lívia Rangel
Foto: Divulgação
Vídeo: alcantara55