Sua mensagem foi enviada com sucesso!

Notícias

Lixo Flutuante

28/12/2010
Compartilhar

Importância da prevenção, do controle e da retirada do lixo flutuante:

  • Impactos sobre a fauna. Existem muitos incidentes em que mamíferos aquáticos, aves, quelônios (tartarugas) e outros animais acabam presos ou ingerem sólidos que encontram no mar. O problema muitas vezes causa a morte destes animais.

 

  • Obstáculo à navegação: o lixo flutuante tem causado problemas para a navegação de embarcações comerciais e de recreio. É o caso do transporte de passageiros entre Rio e Niterói. Com certa frequência as barcas e catamarãs têm a sua operação interrompida motivado pelo lixo. Embarcações esportivas e de recreio também sofrem as consequências do problema. Por exemplo, durante a realização das provas de vela do Jogos Panamericanos de 2007 na Baía de Guanabara foi necessária a mobilização de embarcações do Plano de Emergência da Baía de Guanabara, criado para atender situações de vazamento de hidrocarbonetos (óleo e outros combustíveis), para evitar que o lixo flutuante atrapalhasse as competições. Em janeiro de 2010, quando o Rio de Janeiro sediou o Campeonato Mundial da Classe Star, uma das maiores reclamações dos velejadores estrangeiros foi a grande presença do lixo flutuante. Devido a presença do lixo, velejadores da Baía de Guanabara já se acostumaram a dar ré em suas embarcações antes das regatas para desprender eventual lixo que tenha se aderido à quilha ou leme dos barcos. Caso o problema não seja revertido, estes constrangimentos poderão ser um obstáculo para as provas de vela na Baía de Guanabara e também, embora em menor escala mas igualmente grave devido ao contato direto dos atletas com a água, as provas de maratona aquática que se realizarão em Copacabana.

 

  • Credibilidade do programa de despoluição: o aspecto causado pela presença do lixo flutuante desmoraliza todo o investimento público e privado que é realizado pois diante do aspecto de sujeira, é difícil para a população acreditar que tenha havido alguma melhoria na qualidade da água. É o que acontece com as praias da Zona Sul de Niterói.

  • Lixo flutuante custa caro: a poluição e o lixo flutuante custam muito caro. A administração pública é obrigada a reforçar o esforço de limpeza de praias a cada vez que verificam-se fortes chuvas devido à quantidade de lixo que chega às praias. A poluição também afasta o turismo prejudicando a economia. Devido à poluição, um grande contingente da população vê-se compelida a buscar praias mais afastadas para a sua recreação. Com isso, aumentam os custos de transporte e há desperdício de tempo.

  • O lixo é um grande problema quando flutua, mas também quando afunda. Uma atividade de rotina na Baía de Guanabara, principalmente nas regiões portuárias, industriais ou áreas críticas de assoreamento é a execução de dragagens. Uma das grandes dificuldades destas intervenções é que as dragas precisam ser adaptadas para poder operar com a grande quantidade de lixo que vem com os sedimentos.  Isto acarreta na diminuição da eficiência da operação, no aumento do tempo de aluguel destas dragas, e o aumento do custo de manutenção. Além disso, apesar dos cuidados, uma grande quantidade de sólidos acabam sendo succionados pelas dragas e são carreados para o local final de lançamento. No caso da Baía de Guanabara, ainda são utilizados pontos de descarte em mar aberto. Isso faz com que aumente a quantidade de lixo nas ilhas e praias oceânicas nas proximidades da Baía de Guanabara.

  • Doenças: a presença do lixo pode ser associado a alguns problemas à saúde pública. Infelizmente, no lixo encontrado no mar podem ser vistos animais mortos, resíduos hospitalares (medicamentos, seringas, etc), artigos de higiene usados e, para a repulsa de quem ama o mar, até mesmo uma grande quantidade de preservativos (camisinhas!!!).

 

Soluções:

 

  • Investimentos em saneamento e melhoria na prática da coleta e disposição final do lixo
  • Implementação de políticas públicas e legislação que evite o uso desnecessário de embalagens descartáveis: garrafas PET, sacolas plásticas, etc.
  • Educação e medidas coercitivas que evitem o descarte indevido do lixo pela população.
  • Implantação e manutenção de ecobarreiras
  • Desenvolvimento de iniciativas como o Projeto Águas Limpa

 

Saiba mais acessando: Blog do Projeto Águas Limpas.

Redação: Bombarco
Fonte: Escrito por Axel Schmidt Grael - publicado em http://projetoaguaslimpas.blogspot.com/p/lixo-flutuante.html
Foto: Axel Grael, 2006.