Sua mensagem foi enviada com sucesso!

Notícias

Naufrágio de iate na Baía de Guanabara é lembrado em toda virada de ano

04/01/2011
Compartilhar

Na noite do dia 31 de dezembro de 1988, a poucos minutos da virada do ano, o barco Bateau Mouche IV naufragou na Baia de Guanabara, a 700 metros da Praia Vermelha, matando 55 pessoas. Com excesso de peso e irregularidades que impediam o barco de fazer transporte de passageiros legalmente, o iate de empresários espanhóis, que anteriormente se chamava Boka Loka, dirigia-se à praia de Copacabana, a fim de levar um grupo de 150 pessoas ao show de fogos do réveillon.

Em ligação para a esposa minutos antes de zarpar, o capitão do navio revelou que a viagem contrariava sua vontade, já que o barco estava com excesso de peso e o mar muito revolto. No caminho para Copacabana, o Bateau Mouche chegou a ser parado pela guarda costeira, que logo liberou a embarcação após firmar um acordo com o responsável por ela. Além do excesso de peso, o barco tinha problemas no casco e nas bombas; uma laje construída em cima da cabine principal ainda deslocara o centro de gravidade do iate, provocando sua desestabilização.

Segundo testemunhas, minutos antes da meia-noite, a água do mar já entrava no convés pelas privadas e por perfurações no casco. O pânico se instaurou.

Além de ser um ícone da imprudência e irresponsabilidade, o naufrágio do Bateau Mouche é também um símbolo da fragilidade do judiciário brasileiro. Foram necessários 13 anos para que o Ministério Público Federal julgasse e condenasse os donos da embarcação por crimes de sonegação fiscal, falsidade ideológica e falsificação de documentos, totalizando 18 anos de prisão e multa de R$ 4 milhões aos cofres públicos. Antes do fim do processo, a pena dos acusados foi prescrita. Por isso, que todos estão impunes até hoje. Além disso, das 40 ações movidas contra os responsáveis pela tragédia, apenas uma chegou ao fim.

Redação: Bombarco
Fonte: JB Digital - http://www.jb.com.br/pais-2/noticias/2010/12/31/pag-7-iate-superlotado-naufraga-na-baia-de-guanabara/