Sua mensagem foi enviada com sucesso!

Primeiro Barco

Gasolina ideal para a sua lancha

1º Barco 21/09/2009
Compartilhar

No Brasil, existem atualmente quatro tipos de gasolina à venda no mercado: Podium, Premium, comum aditivada e comum. De acordo com determinação da Agência Nacional de Petróleo (ANP), a gasolina brasileira tem adição de 25% de álcool anidro (que não contém água), independentemente do tipo. O álcool anidro faz com que a gasolina absorva água da atmosfera.

Segundo as distribuidoras, a gasolina tem uma vida útil de 60 dias após o adicionamento de álcool, que é feito já na saída da refinaria. Somando o tempo de transporte ao tempo em que fica parada no posto até ser vendida para o consumidor final, lá se vão cerca 30 dias. Após esse prazo, a gasolina sofre um processo natural de oxidação com decantação de parafinas (goma) que podem depositar-se no sistema de alimentação do combustível. O acúmulo de goma vai ocasionar, conseqüentemente, o mau desempenho do motor. A oxidação causada pelo álcool, por sua vez, irá reagir com os metais, com alguns tipos de plásticos e com as juntas de borracha.

A octanagem


As gasolinas são classificadas mundialmente de acordo com a octanagem. A octanagem mede a resistência da gasolina à detonação (conhecida popularmente como batida de pino), que pode causar danos ao motor. Segundo as distribuidoras, a octanagem das gasolinas do tipo comum e Premium, vendidas no país, é equivalente a das gasolinas norte-americanas e européias.

As gasolinas comum e comum aditivada possuem a mesma octanagem. Elas diferem entre si pela presença de um aditivo do tipo “detergente-dispersante”, que tem a função de manter limpo todo o sistema por onde passa o combustível. Sendo assim, a aditivada deixa os motores mais limpos, em melhores condições de funcionamento e o custo de manutenção será menor.

Já a Premium possui maior octanagem que a comum. Serve para qualquer tipo de motor à gasolina, mas nenhum benefício será obtido se o motor não exigir este tipo específico de combustível. É recomendada para motores desenvolvidos para uma gasolina de alta octanagem, cujas principais características são: alto desempenho, elevada taxa de compressão e sensor de detonação. A Premium também contém o aditivo detergente-dispersante.

Em 2002, a Petrobras lançou a gasolina Podium, um grande avanço de tecnologia em combustível, que surgiu para suprir a carência gerada pela grande quantidade de motores de alta performance vendidos no mercado brasileiro. As novas gerações de motores passaram a exigir um combustível com maior teor de octanagem, maior durabilidade (estabilidade) e menor teor de enxofre (menos poluente).

A diferença entre a gasolina nacional e a norte-americana é a presença de álcool na proporção de 25% na brasileira e ausência do chumbo tetraetila na norte-americana. Nesta última, o percentual de álcool não passa de 10%.

Atualmente, a Petrobras trabalha na formulação de uma gasolina específica para uso náutico, uma antiga reivindicação da indústria de barcos de lazer no país.

Qual a melhor gasolina?


De acordo com Ricardo Aragão, especialista em motores de barcos formado pela Escola Técnica da Universidade de Washington e membro da Associação Norte-Americana de Mecânicos de Motores Marítimos (AMTECH), a melhor gasolina à venda no mercado nacional é a Podium, “pois os motores de popa e de centro comercializados no Brasil foram desenvolvidos para a mais alta octanagem possível, sendo necessário, em alguns casos, o uso de aditivos extras para melhorar a performance do motor”.

Em segundo lugar, segundo ele, vem a gasolina Premium. Em terceiro, a comum aditivada e, por último, a comum. Vale lembrar que alguns postos costumam adulterar a gasolina. Por isso, é importante abastecer sempre em locais de confiança. Outra dica é instalar um filtro decantador (separador de água) e revisá-lo a cada 6 meses.

O óleo lubrificante


Além de ser fundamental para o desempenho e a durabilidade de motores marítimos, o uso do óleo lubrificante correto evita problemas mecânicos e a perda da garantia. As condições de uso do motor de uma lancha são bem diferentes das condições de um motor automotivo.


O motor marítimo trabalha normalmente em rotações mais elevadas, impulsionando barcos pesados por longos períodos, estando sujeito a um aquecimento maior. O motor marítimo pode operar por muito tempo em baixa rotação e, apesar de ser quase sempre refrigerado a água, não conta com a aeração dos motores automotivos. Por estar sujeito à ação da umidade, fica mais exposto à corrosão.

Com tantas agressões, o óleo lubrificante para motores marítimos precisa ser obrigatoriamente de excelente qualidade, seja para os motores de dois tempos, seja para os de quatro tempos.

Você encontra empresas especializadas em motores para barco e outras embarcações no Guia de Empresas do Bombarco



Redação: Bombarco
Fonte: Acobar
Foto: Bombarco